1172 - Tópico: Estádio da Luz  (Lida 1744225 vezes)

StarWars

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 6419
  • 18 de Fevereiro de 2019, 09:31
"
115 anos de Benfica: os lugares da memória de um clube nómada que cresceu com a cidade

Demorou mais do que seria desejado até o Sport Lisboa e Benfica encontrar casa certa. No dia 23, há uma visita pelos caminhos percorridos pelos fundadores, atletas e adeptos. Para se recordar a história de um clube que faz 115 anos.

Era dia de jogo domingueiro. Juntavam-se uns poucos rapazes a correr atrás da bola no areal de Belém, onde o campo era marcado a giz e as balizas feitas com paus ou pedras. Era início do século XX, Fevereiro de 1904 para sermos exactos, e começava a surgir na cabeça daqueles jovens o devaneio de criar um clube.

Cosme Damião, José Rosa Rodrigues, Manuel Gourlade, Daniel Brito, entre outros amigos, apreciavam um desporto que ainda pouco se conhecia em Portugal: o futebol. Mas faltava-lhes onde jogar à vontade.

Por isso, à volta de uma mesa do café Gonçalves, na Rua de Belém, — onde se repunham energias depois do jogo — começava a tomar forma a ideia de fundar um clube. Atravessaram a rua para se sentarem numa sala da Farmácia Franco, onde Manuel Gourlade e Daniel Brito trabalhavam. Naquela tarde, ficou então decidido que se fundaria o Sport Lisboa, registado numa acta com 23 assinaturas, escrita por Cosme Damião — que ele próprio se terá esquecido de assinar. Era o pontapé de saída de uma história que há-de cumprir 115 anos a 28 de Fevereiro e que o Museu Benfica — Cosme Damião quer celebrar com um passeio guiado para mostrar os lugares da memória de um clube nómada que cresceu com a cidade.

A Farmácia Franco, onde em tempos se vendia o “vinho nutritivo de carne” para dar força aos operários da ferrovia que trabalhavam em Belém, é um dos pontos de paragem da visita do próximo sábado.

Um desporto marginal

Se quisermos ser precisos (e um tanto meticulosos), o Sport Lisboa e Benfica não nasceu em 1904. Mas já lá iremos.

O primeiro treino, logo a seguir à fundação do clube, foi feito no terreno onde está hoje erguido o Centro Cultural de Belém. O primeiro jogo oficial do Sport Lisboa, porém, apenas aconteceria a 1 de Janeiro de 1905, não muito longe dali, no campo das Terras do Desembargador que a equipa da casa, se assim lhe pudermos chamar, venceu por uma bola a zero ao Campo de Ourique.

Este campo improvisado era contíguo ao quarteirão da Travessa das Zebras, onde o clube instalou, no número 29, a sua primeira sede. Segundo explicam os guias desta visita, seria um apartamento com um pátio e um poço, que serviria de zona para os atletas se equiparem e lavarem: “Uma espécie de balneário improvisado”. “Estamos a falar de um clube que, na sua génese, é um clube com muitas dificuldades económicas”, diz Fábio Leite, que trabalha no museu e nos guiou por este passeio.

O clube nasce numa altura em que o futebol não tinha a dimensão que tem hoje e estava longe de existir a ideia de cada clube ter o seu próprio estádio para praticar as modalidades. Eram apenas grupos de rapazes que se juntavam na rua para jogar bola. E depois criavam pequenos grupos para disputar jogos.

“Era considerado um desporto marginal que não devia ser jogado por pessoas de classes mais altas e havia aqui uma dificuldade que tinha a ver com o facto de ser uma zona de trabalhadores de ferrovia. Esta zona ficava longe do centro da cidade”, explica Fábio.

Estes grupos acabariam por tentar fundar clubes, um pouco por inspiração inglesa. Por lá, era moda criar clubes que além de desportivos, aliavam igualmente uma parte cultural e recreativa muito intensa

O Sport Lisboa .... e Benfica

Foram muito difíceis aqueles primeiros tempos. O clube formara-se porque faltava um espaço onde estes jovens pudessem jogar futebol. Dois anos depois, o problema mantinha-se. A par destas dificuldades, surgia na cidade, em 1906, outro clube que afrontaria as aspirações benfiquistas: o Sporting Clube de Portugal. Com campo próprio no Lumiar, começava a aliciar alguns atletas do Sport Lisboa.

A crise acabaria por se atenuar em 1908, quando o Sport Lisboa se funde com o Grupo Sport Benfica. Este grupo, fundado dois anos antes, tinha um campo de futebol na Quinta da Feiteira, em Benfica. Ainda que esse clube tivesse mais adeptos no ciclismo, a modesta formação de bairro tinha agora um espaço onde treinar e jogar.

Estava assim fundado o Sport Lisboa e Benfica. Que ficou formalizado a 13 de Setembro de 1908, quando se realizou uma assembleia que assim baptizou o clube e definiu como símbolos a águia — pela sua independência, autoridade e nobreza —, a bola de futebol, e a roda da bicicleta, com o lema E Pluribus Unum (de todos um). Foi nessa reunião que ficou escrito que a data de fundação do SLB seria a do nascimento do mais antigo dos dois clubes.

A equipa vestiu-se de branco e encarnado. A partir dessa altura, o clube começava a consolidar-se e a somar títulos. A primeira havia de ser a conquista de um campeonato distrital, na época de 1909/1910, fazendo frente ao imbatível Carcavelos.

Instalou a sua primeira sede na baixa da cidade, em 1912, no segundo andar do Hotel Metrópole, voltado para o Rossio. “A opção do clube por estar no centro da cidade, quando jogava no Campo da Feiteira, em Benfica, tem sobretudo a ver com a centralidade que lhe permitia estar mais perto dos seus sócios”, explica Fábio Leite.

Afinal, não era assim tão fácil chegar a Benfica quando Lisboa ainda ia pouco além do Marquês de Pombal. Nos anos 20, o clube era já reconhecido no país. O ciclismo e o atletismo conseguiam também dar expressão ao desempenho obtido no futebol que começava a galgar fronteiras.

No entanto, faltavam instalações desportivas que pudessem acompanhar o crescimento do clube. As soluções eram sempre precárias. Desde a sua fundação, o Benfica jogou em terrenos da CP, no Campo das Salésias, nas Terras do Desembargador, — todos na zona de Belém — nos campos da Quinta da Feiteira, das Laranjeiras, de Sete Rios, da Avenida Gomes Pereira, onde funcionou também a sua sede. Este espaço para onde o Benfica foi em 1916 (e saiu em 1917 porque, imagine-se, a renda disparou) foi especialmente importante na história do clube. Hoje, naquele edifício cor-de-rosa estão serviços da Junta de Freguesia de Benfica, cujas letras na fachada vieram substituir o “SLB” que se lia naquela altura.

Fez-se luz
Até 1923, o clube jogou nuns campos próximos à junta de Benfica, em terrenos que hoje pertencem à escola Quinta de Marrocos. E foi ali que pela primeira vez se fez luz. Nesse campo, que se situava nas traseiras da Avenida Gomes Pereira, paredes meias com uma fábrica, realizou-se o primeiro jogo nocturno, iluminado por dezoito projectores.

Cosme Damião havia de ficar desiludido porque a ideia, além de sair cara ao clube, não impressionou o público nem a imprensa. “Não pegou porque era caríssimo”, justifica Fábio. Ainda assim, a intenção de jogar à bola de noite havia de ficar a pairar.

“Este edifício é muito importante para a nossa história, não só por corresponder a um longo período de ocupação, mas também porque foi aqui que o clube começou a desenvolver a sua actividade desportiva de uma forma mais concreta. A primeira grande modalidade que aqui surge é o hóquei em patins”, explica Fábio Leite.

Há ainda um campo de hóquei onde grandes figuras da modalidade como António Livramento, considerado por muitos o melhor jogador português de todos os tempos, jogaram. “Estamos num espaço onde ele jogou com a camisola do Benfica”, aponta Fábio.

Funcionou também ali uma área recreativa muito importante. Havia teatro, cinema, biblioteca. “Hoje temos muito a ideia do Benfica e de outros clubes com uma prática desportiva muito forte. Mas nesta altura funcionava num regime associativo, em que o desporto era apenas mais uma modalidade. Havia aqui uma importância grande de dar aos associados condições para se poderem exprimir intelectualmente”, diz.
O clube acabaria por ter de abandonar aqueles terrenos, fruto da especulação imobiliária que já na altura afrontava as pretensões dos lisboetas.

O clube acabou por comprar um terreno nas Amoreiras. Cosme Damião propôs que se fizesse ali um campo. Este foi o primeiro estádio propriedade do Benfica, inaugurado a 13 de Dezembro de 1925. O clube tinham finalmente cumprido o propósito da sua fundação: a de ter um campo para treinar e jogar. E os êxitos foram chegando. Em 1930, o clube venceu, pela primeira vez, o campeonato nacional. E em 1932, fora do futebol, o ciclista José Maria Nicolau venceu a Volta a Portugal.

Ao virar da década a má memória das expropriações voltou. O Campo das Amoreiras teve de ser sacrificado para que fosse construída uma auto-estrada até ao Estádio Nacional. O Benfica mudava-se então para o Campo Grande.

Mas a época de ouro do clube ainda estaria para chegar. Em 1934 acabaram por mudar a sede para um edifício na Rua do Jardim do Regedor, na Baixa, que em tempos albergara o Bristol Club, mantendo sempre muita actividade cultural no edifício.


O clube só saiu dali em 1997, mudando toda essa função para o estádio da Luz. Mas o edifício é hoje propriedade da Fundação Benfica. Em 2016 e 2017, esteve aberto com exposições temporárias promovidas pelo Património Cultural do Benfica, versadas sobre a relação que o clube tem com a cidade.

O presidente do clube, Luís Filipe Vieira, já anunciou mesmo a intenção de ali construir “o primeiro hotel temático do Benfica”.

Um clube nómada

Até 1954, o Benfica é um clube “profundamente nómada” tanto nas suas sedes e secretarias como nos seus estádios.

Nesse ano, finalmente encontrara a sua casa. A 1 de Dezembro de 1954, foi inaugurado o estádio da Luz, o oitavo do clube. Mas não foi fácil pô-lo de pé.

A década de 60 seria a época de ouro do clube, com Costa Pereira, Coluna, José Augusto, José Aguas, Eusébio. Foram instaladas torres de iluminação, permitindo a realização de jogos nocturnos e construído o terceiro anel.

As vitórias deste clube que cresceu com a cidade foram aparecendo. Aos poucos, os adeptos que esperavam os jogadores sempre junto à estação do Rossio, quando chegavam de jogos no Norte, e preenchiam as Escadinhas do Adriano, começaram a mudar-se para a rotunda do Marquês de Pombal, que acabaria por se tornar o local de festejos do clube.

Cento e quinze anos após a reunião na Farmácia Franco, já não há vinho nutritivo de carne nem sequer vale a pena ir à procura de remédios — hoje é um banco. São estes pequenos pedaços de história que o clube quer agora mostrar aos seus adeptos, muito além dos 90 minutos e da relva pisada.

"
https://www.publico.pt/2019/02/18/local/noticia/115-anos-benfica-lugares-memoria-clube-nomada-moveu-cidade-1862096#gs.9nGHCxli

Enviado do meu SM-J510FN através do Tapatalk
« Última modificação: 18 de Fevereiro de 2019, 17:04 por StarWars »

Motörhead

  • Velha Glória
  • *****
  • Mensagens: 5979
  • We are Motörhead, and we play rockin' fuckin' roll
  • 19 de Fevereiro de 2019, 18:58
No jogo de ontem deparei-me com uma situação inacreditável. Proibiram a entrada de um livro a um colega meu dentro do recinto. Eu repito, um LIVRO. Como é que um livro pode ser um objeto perigoso? Será que um telemóvel não é mais que um livro? Será que até uma moeda e mais perigoso? Há coisas realmente muito estranhas, então se compararmos esta proibição há falta de controlo na entrada do estádio (já entrei várias vezes sem me revistarem a mochila) é ridículo.
Depende do livro. Qual era o livro? Se foi «A Arte da Guerra para Treinadores», claro que é um perigo do caralho para qualquer pessoa no estádio.