8459 - Tópico: As Finanças do Benfica  (Lida 3654543 vezes)

warding

  • Júnior
  • ***
  • Mensagens: 502
  • 22 de Agosto de 2019, 17:32
já agora, fazendo contas muito simples, ao nível de receitas:

 - vendas 145M€
 - "matchday" ou seja, vendas de lugares no estádio cerca de 25 milhões de euros
 - commercial cerca de 35 milhões
 - liga dos campeões deve cerca de 60 milhões (cenário mais conservador)
 - receitas televisivas - mínimo de 42 milhões, acho que o valor é crescente, mas não deverá ser muito superior

portanto, receitas totais no valor de...307 milhões de euros.
assumindo que não há mais vendas (estou a ser optimista), e conservador nas receitas (se o ano for bom, o valor de commercial e liga dos campeões podem aumentar 10 a 20 milhões).


eu pessoalmente prefiro fazer as contas somente às receitas ordinárias, isto é, contar só com elas,para perceber verdadeiramente como estamos e para onde caminhamos.

Ainda falta um longo caminho até aos 200 ordinários. Aqui honestamente creio que é complicado subir pelas vias normais. A internacionalização e tal pode ajudar a crescer mais um pouco, mas o grosso do aumento terá de vir mesmo pela consolidação de participações meritórias na liga dos campeões.

Quando atingirmos os 200 de receitas ordinárias, e direccionarmos 50% para os vencimentos de atletas, treinadores estrutura, 100 milhões, então seremos um dos grandes europeus.
percebo o que dizes, mas quando conseguirmos, os outros grandes europeus já estarão também eles noutro patamar.
isso numa perspectiva de crescimento eterno.

Mas só uma elite de 5 ou 6 é que poderá beber com regularidade da fonte da liga dos campeões.

Há também limites ao crescimento dos clubes que estão associados à própria natureza das ligas em que participam.

Posso estar enganado, mas tirando os clubes italianos, Bayern, PSG, clubes ingleses, Real, Barça e até o ATMadrid estão hoje em dia cada vez mais fortes que os restantes e o fosso tem vindo alargar.
mas quais clubes ingleses e italianos? Todos? Neste momento quantos clubes ingleses consegues nomear que sejam desportivamente superiores ao Benfica?

depreendi que a conversa era sobre a vertente financeira dos clubes
é como a vertente financeira pode ter impacto na vertente desportiva.

O impacto não é igual em todos os clubes, porque o contexto é diferente de clube para clube.

então o Real, Barça, At. Madrid, "PSG", Manchesters, Liverpool, Bayern, têm hoje em dia condições financeiras, que têm vindo a crescer e aumentar o fosso para os restantes.
Não são apenas esses.
Neste momento quase qualquer clube inglês tem maior poderio financeiro do que o clube mais forte de ligas secundárias (Benfica, Ajax, etc).

O relatório da Delloite para a época 17/18 demonstra bem isso. São 9 (nove) clubes ingleses no top20 financeiro europeu e 13 (treze) no top30.
O Benfica fecha o top30.
Zenit (25º) e Besiktas (26º) compõem o lote de 3 clubes no top30 fora das 5 ligas principais.

O fosso financeiro das receitas regulares entre nós e as 5 ligas principais tem vindo a aumentar.
A nossa salvação (por agora) é que temos acesso ao dinheiro da Champions, coisa que está fora do alcance de muitos desses clubes das 5 ligas principais que têm mais receitas do que nós.
e os custos são iguais em ambos campeonatos também.

Isso que referes do acesso da liga dos campeões, não o que nos safa por agora, é mesmo as limitações do próprio crescimento dos clubes.

O nosso acesso ao mercado liga dos campeões é muito mais barato do que o de um everton etc.

Atendendo ao nosso mercado, 100 milhões é diferente de 100 milhões na liga inglesa.

Aliás, quais os clubes ingleses que gastam 100 milhões em ordenados?



Assumindo que esses valores estão correctos, TODOS os clubes da Premier League gastaram mais em salários na época 17/18 do que o Benfica (67M€) e apenas 4 clubes pagavam menos de 100M€ (~91M£) em salários à data.

E esse é o desafio para os próximos anos, aumentar, de forma sustentável, até aos 120M ou algo do género. Mas bem gastos. Este é o caminho para segurar cá as joias e, eventualmente, atrair talento. Mas paulatinamente, sem aventuras e sem contar com o ovo no cú da galinha... não quero voltar ao tempo em que tinhamos que vender em Janeiro.
Nos últimos anos a verba de salários / receitas operacionais esteve sempre entre os 55% e os 60%. Os 60% são um bom valor de referência para uma gestão equilibrada das contas. Mais que isso começa a ser muito arriscado e faz essencialmente depender o teu orçamento de outras entradas - mais dívida ou vendas de jogadores. Por oposição, este rácio no Porto e Sporting tem andado nos 80%, dai a posição financeira desequilibrada dos nossos rivais.

Por isso, para chegar aos 120 milhões de verba salarial teríamos de elevar as nossas receitas dos 120-130 atuais para os 200 milhões. Sinceramente não estou muito bem a ver como isso poderia acontecer para nós, sem que os valores para os clubes da Premier League também se eleve. Temos um contrato de longo prazo para os direitos de TV; a bilheteira pode melhorar incrementalmente mas nunca de uma forma muito significativa; os prémios de Champions podem aumentar mas estes andam de mão dada com os mercados de direitos de TV na Europa. Podem aumentar ainda mais, mas então também se elevarão os da Premier League.

Só consigo imaginar dois cenários que nos aproximariam da Premier League: ou a Liga Portuguesa se torna muito mais competitiva e se eleva de estatuto de uma forma muito significativa (pouco provável pelo tamanho do país e distribuição dos direitos de TV cá); ou o mercado de direitos de TV desinflaciona e faz com o que o futebol volte de certa forma a onde estava há 15-20 anos atrás. O terceiro cenário é eu ter falta de imaginação.
Pergunta de um ignorante...
Não podemos definir que 50% da venda de um qualquer jogador da formação seja alocado á verba salarial num prazo digamos de 5 anos? (Os números e percentagens são aleatórios).
Ou seja eu sei são receitas extraordinárias, mas são receitas de pouco investimento. Diluir ao longo do tempo permite que haja pouca variação pois após os 5 anos ou temos realmente novos tipos de receita ou teremos de baixar salários, mas isto só caso não houvesse uma grande venda durante esses 5 anos.
Sim, a direção pode - e se calhar deve - fazer algo assim. Dado o estatuto de clube formador e vendedor que atualmente temos e a previsibilidade destas verbas, até diria que o saldo de transferências de atletas é quase uma receita operacional.

cfSLBcg

  • Sénior
  • ****
  • Mensagens: 1976
  • 22 de Agosto de 2019, 17:54
já agora, fazendo contas muito simples, ao nível de receitas:

 - vendas 145M€
 - "matchday" ou seja, vendas de lugares no estádio cerca de 25 milhões de euros
 - commercial cerca de 35 milhões
 - liga dos campeões deve cerca de 60 milhões (cenário mais conservador)
 - receitas televisivas - mínimo de 42 milhões, acho que o valor é crescente, mas não deverá ser muito superior

portanto, receitas totais no valor de...307 milhões de euros.
assumindo que não há mais vendas (estou a ser optimista), e conservador nas receitas (se o ano for bom, o valor de commercial e liga dos campeões podem aumentar 10 a 20 milhões).


eu pessoalmente prefiro fazer as contas somente às receitas ordinárias, isto é, contar só com elas,para perceber verdadeiramente como estamos e para onde caminhamos.

Ainda falta um longo caminho até aos 200 ordinários. Aqui honestamente creio que é complicado subir pelas vias normais. A internacionalização e tal pode ajudar a crescer mais um pouco, mas o grosso do aumento terá de vir mesmo pela consolidação de participações meritórias na liga dos campeões.

Quando atingirmos os 200 de receitas ordinárias, e direccionarmos 50% para os vencimentos de atletas, treinadores estrutura, 100 milhões, então seremos um dos grandes europeus.
percebo o que dizes, mas quando conseguirmos, os outros grandes europeus já estarão também eles noutro patamar.
isso numa perspectiva de crescimento eterno.

Mas só uma elite de 5 ou 6 é que poderá beber com regularidade da fonte da liga dos campeões.

Há também limites ao crescimento dos clubes que estão associados à própria natureza das ligas em que participam.

Posso estar enganado, mas tirando os clubes italianos, Bayern, PSG, clubes ingleses, Real, Barça e até o ATMadrid estão hoje em dia cada vez mais fortes que os restantes e o fosso tem vindo alargar.
mas quais clubes ingleses e italianos? Todos? Neste momento quantos clubes ingleses consegues nomear que sejam desportivamente superiores ao Benfica?

depreendi que a conversa era sobre a vertente financeira dos clubes
é como a vertente financeira pode ter impacto na vertente desportiva.

O impacto não é igual em todos os clubes, porque o contexto é diferente de clube para clube.

então o Real, Barça, At. Madrid, "PSG", Manchesters, Liverpool, Bayern, têm hoje em dia condições financeiras, que têm vindo a crescer e aumentar o fosso para os restantes.
Não são apenas esses.
Neste momento quase qualquer clube inglês tem maior poderio financeiro do que o clube mais forte de ligas secundárias (Benfica, Ajax, etc).

O relatório da Delloite para a época 17/18 demonstra bem isso. São 9 (nove) clubes ingleses no top20 financeiro europeu e 13 (treze) no top30.
O Benfica fecha o top30.
Zenit (25º) e Besiktas (26º) compõem o lote de 3 clubes no top30 fora das 5 ligas principais.

O fosso financeiro das receitas regulares entre nós e as 5 ligas principais tem vindo a aumentar.
A nossa salvação (por agora) é que temos acesso ao dinheiro da Champions, coisa que está fora do alcance de muitos desses clubes das 5 ligas principais que têm mais receitas do que nós.
e os custos são iguais em ambos campeonatos também.

Isso que referes do acesso da liga dos campeões, não o que nos safa por agora, é mesmo as limitações do próprio crescimento dos clubes.

O nosso acesso ao mercado liga dos campeões é muito mais barato do que o de um everton etc.

Atendendo ao nosso mercado, 100 milhões é diferente de 100 milhões na liga inglesa.

Aliás, quais os clubes ingleses que gastam 100 milhões em ordenados?



Assumindo que esses valores estão correctos, TODOS os clubes da Premier League gastaram mais em salários na época 17/18 do que o Benfica (67M€) e apenas 4 clubes pagavam menos de 100M€ (~91M£) em salários à data.

E esse é o desafio para os próximos anos, aumentar, de forma sustentável, até aos 120M ou algo do género. Mas bem gastos. Este é o caminho para segurar cá as joias e, eventualmente, atrair talento. Mas paulatinamente, sem aventuras e sem contar com o ovo no cú da galinha... não quero voltar ao tempo em que tinhamos que vender em Janeiro.
Nos últimos anos a verba de salários / receitas operacionais esteve sempre entre os 55% e os 60%. Os 60% são um bom valor de referência para uma gestão equilibrada das contas. Mais que isso começa a ser muito arriscado e faz essencialmente depender o teu orçamento de outras entradas - mais dívida ou vendas de jogadores. Por oposição, este rácio no Porto e Sporting tem andado nos 80%, dai a posição financeira desequilibrada dos nossos rivais.

Por isso, para chegar aos 120 milhões de verba salarial teríamos de elevar as nossas receitas dos 120-130 atuais para os 200 milhões. Sinceramente não estou muito bem a ver como isso poderia acontecer para nós, sem que os valores para os clubes da Premier League também se eleve. Temos um contrato de longo prazo para os direitos de TV; a bilheteira pode melhorar incrementalmente mas nunca de uma forma muito significativa; os prémios de Champions podem aumentar mas estes andam de mão dada com os mercados de direitos de TV na Europa. Podem aumentar ainda mais, mas então também se elevarão os da Premier League.

Só consigo imaginar dois cenários que nos aproximariam da Premier League: ou a Liga Portuguesa se torna muito mais competitiva e se eleva de estatuto de uma forma muito significativa (pouco provável pelo tamanho do país e distribuição dos direitos de TV cá); ou o mercado de direitos de TV desinflaciona e faz com o que o futebol volte de certa forma a onde estava há 15-20 anos atrás. O terceiro cenário é eu ter falta de imaginação.
Pergunta de um ignorante...
Não podemos definir que 50% da venda de um qualquer jogador da formação seja alocado á verba salarial num prazo digamos de 5 anos? (Os números e percentagens são aleatórios).
Ou seja eu sei são receitas extraordinárias, mas são receitas de pouco investimento. Diluir ao longo do tempo permite que haja pouca variação pois após os 5 anos ou temos realmente novos tipos de receita ou teremos de baixar salários, mas isto só caso não houvesse uma grande venda durante esses 5 anos.
Sim, a direção pode - e se calhar deve - fazer algo assim. Dado o estatuto de clube formador e vendedor que atualmente temos e a previsibilidade destas verbas, até diria que o saldo de transferências de atletas é quase uma receita operacional.
Nem todos os jogadores que estão no Seixal servem para a equipa A, e esses seguramente são uma receita com valores estáveis. Mas se houver uma venda de 100M em cada 5 anos e ela servir para aumentar os salários iremos catapultar receitas aumentando o valor da equipa, retendo jovens que irão valer mais. Parece-me a única maneira de manter um projeto desportivo estável.

devermelhosempre

  • Sénior
  • ****
  • Aveiro
  • Mensagens: 2646
  • 22 de Agosto de 2019, 21:57
já agora, fazendo contas muito simples, ao nível de receitas:

 - vendas 145M€
 - "matchday" ou seja, vendas de lugares no estádio cerca de 25 milhões de euros
 - commercial cerca de 35 milhões
 - liga dos campeões deve cerca de 60 milhões (cenário mais conservador)
 - receitas televisivas - mínimo de 42 milhões, acho que o valor é crescente, mas não deverá ser muito superior

portanto, receitas totais no valor de...307 milhões de euros.
assumindo que não há mais vendas (estou a ser optimista), e conservador nas receitas (se o ano for bom, o valor de commercial e liga dos campeões podem aumentar 10 a 20 milhões).


eu pessoalmente prefiro fazer as contas somente às receitas ordinárias, isto é, contar só com elas,para perceber verdadeiramente como estamos e para onde caminhamos.

Ainda falta um longo caminho até aos 200 ordinários. Aqui honestamente creio que é complicado subir pelas vias normais. A internacionalização e tal pode ajudar a crescer mais um pouco, mas o grosso do aumento terá de vir mesmo pela consolidação de participações meritórias na liga dos campeões.

Quando atingirmos os 200 de receitas ordinárias, e direccionarmos 50% para os vencimentos de atletas, treinadores estrutura, 100 milhões, então seremos um dos grandes europeus.
percebo o que dizes, mas quando conseguirmos, os outros grandes europeus já estarão também eles noutro patamar.
isso numa perspectiva de crescimento eterno.

Mas só uma elite de 5 ou 6 é que poderá beber com regularidade da fonte da liga dos campeões.

Há também limites ao crescimento dos clubes que estão associados à própria natureza das ligas em que participam.

Posso estar enganado, mas tirando os clubes italianos, Bayern, PSG, clubes ingleses, Real, Barça e até o ATMadrid estão hoje em dia cada vez mais fortes que os restantes e o fosso tem vindo alargar.
mas quais clubes ingleses e italianos? Todos? Neste momento quantos clubes ingleses consegues nomear que sejam desportivamente superiores ao Benfica?

depreendi que a conversa era sobre a vertente financeira dos clubes
é como a vertente financeira pode ter impacto na vertente desportiva.

O impacto não é igual em todos os clubes, porque o contexto é diferente de clube para clube.

então o Real, Barça, At. Madrid, "PSG", Manchesters, Liverpool, Bayern, têm hoje em dia condições financeiras, que têm vindo a crescer e aumentar o fosso para os restantes.
Não são apenas esses.
Neste momento quase qualquer clube inglês tem maior poderio financeiro do que o clube mais forte de ligas secundárias (Benfica, Ajax, etc).

O relatório da Delloite para a época 17/18 demonstra bem isso. São 9 (nove) clubes ingleses no top20 financeiro europeu e 13 (treze) no top30.
O Benfica fecha o top30.
Zenit (25º) e Besiktas (26º) compõem o lote de 3 clubes no top30 fora das 5 ligas principais.

O fosso financeiro das receitas regulares entre nós e as 5 ligas principais tem vindo a aumentar.
A nossa salvação (por agora) é que temos acesso ao dinheiro da Champions, coisa que está fora do alcance de muitos desses clubes das 5 ligas principais que têm mais receitas do que nós.
e os custos são iguais em ambos campeonatos também.

Isso que referes do acesso da liga dos campeões, não o que nos safa por agora, é mesmo as limitações do próprio crescimento dos clubes.

O nosso acesso ao mercado liga dos campeões é muito mais barato do que o de um everton etc.

Atendendo ao nosso mercado, 100 milhões é diferente de 100 milhões na liga inglesa.

Aliás, quais os clubes ingleses que gastam 100 milhões em ordenados?



Assumindo que esses valores estão correctos, TODOS os clubes da Premier League gastaram mais em salários na época 17/18 do que o Benfica (67M€) e apenas 4 clubes pagavam menos de 100M€ (~91M£) em salários à data.

E esse é o desafio para os próximos anos, aumentar, de forma sustentável, até aos 120M ou algo do género. Mas bem gastos. Este é o caminho para segurar cá as joias e, eventualmente, atrair talento. Mas paulatinamente, sem aventuras e sem contar com o ovo no cú da galinha... não quero voltar ao tempo em que tinhamos que vender em Janeiro.
Nos últimos anos a verba de salários / receitas operacionais esteve sempre entre os 55% e os 60%. Os 60% são um bom valor de referência para uma gestão equilibrada das contas. Mais que isso começa a ser muito arriscado e faz essencialmente depender o teu orçamento de outras entradas - mais dívida ou vendas de jogadores. Por oposição, este rácio no Porto e Sporting tem andado nos 80%, dai a posição financeira desequilibrada dos nossos rivais.

Por isso, para chegar aos 120 milhões de verba salarial teríamos de elevar as nossas receitas dos 120-130 atuais para os 200 milhões. Sinceramente não estou muito bem a ver como isso poderia acontecer para nós, sem que os valores para os clubes da Premier League também se eleve. Temos um contrato de longo prazo para os direitos de TV; a bilheteira pode melhorar incrementalmente mas nunca de uma forma muito significativa; os prémios de Champions podem aumentar mas estes andam de mão dada com os mercados de direitos de TV na Europa. Podem aumentar ainda mais, mas então também se elevarão os da Premier League.

Só consigo imaginar dois cenários que nos aproximariam da Premier League: ou a Liga Portuguesa se torna muito mais competitiva e se eleva de estatuto de uma forma muito significativa (pouco provável pelo tamanho do país e distribuição dos direitos de TV cá); ou o mercado de direitos de TV desinflaciona e faz com o que o futebol volte de certa forma a onde estava há 15-20 anos atrás. O terceiro cenário é eu ter falta de imaginação.

55M da champs
40M da TV
35M de patrocinadores & outros
20M de bilheteira - em crescendo

150M€

Isto é o "certo", assumindo que não se falha a CL.

paulomaia1972

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 19873
  • Benfica é para ser protegido.
  • Sócio: 43.....
  • 22 de Agosto de 2019, 22:59
já agora, fazendo contas muito simples, ao nível de receitas:

 - vendas 145M€
 - "matchday" ou seja, vendas de lugares no estádio cerca de 25 milhões de euros
 - commercial cerca de 35 milhões
 - liga dos campeões deve cerca de 60 milhões (cenário mais conservador)
 - receitas televisivas - mínimo de 42 milhões, acho que o valor é crescente, mas não deverá ser muito superior

portanto, receitas totais no valor de...307 milhões de euros.
assumindo que não há mais vendas (estou a ser optimista), e conservador nas receitas (se o ano for bom, o valor de commercial e liga dos campeões podem aumentar 10 a 20 milhões).


eu pessoalmente prefiro fazer as contas somente às receitas ordinárias, isto é, contar só com elas,para perceber verdadeiramente como estamos e para onde caminhamos.

Ainda falta um longo caminho até aos 200 ordinários. Aqui honestamente creio que é complicado subir pelas vias normais. A internacionalização e tal pode ajudar a crescer mais um pouco, mas o grosso do aumento terá de vir mesmo pela consolidação de participações meritórias na liga dos campeões.

Quando atingirmos os 200 de receitas ordinárias, e direccionarmos 50% para os vencimentos de atletas, treinadores estrutura, 100 milhões, então seremos um dos grandes europeus.
percebo o que dizes, mas quando conseguirmos, os outros grandes europeus já estarão também eles noutro patamar.
isso numa perspectiva de crescimento eterno.

Mas só uma elite de 5 ou 6 é que poderá beber com regularidade da fonte da liga dos campeões.

Há também limites ao crescimento dos clubes que estão associados à própria natureza das ligas em que participam.

Posso estar enganado, mas tirando os clubes italianos, Bayern, PSG, clubes ingleses, Real, Barça e até o ATMadrid estão hoje em dia cada vez mais fortes que os restantes e o fosso tem vindo alargar.
mas quais clubes ingleses e italianos? Todos? Neste momento quantos clubes ingleses consegues nomear que sejam desportivamente superiores ao Benfica?

depreendi que a conversa era sobre a vertente financeira dos clubes
é como a vertente financeira pode ter impacto na vertente desportiva.

O impacto não é igual em todos os clubes, porque o contexto é diferente de clube para clube.

então o Real, Barça, At. Madrid, "PSG", Manchesters, Liverpool, Bayern, têm hoje em dia condições financeiras, que têm vindo a crescer e aumentar o fosso para os restantes.
Não são apenas esses.
Neste momento quase qualquer clube inglês tem maior poderio financeiro do que o clube mais forte de ligas secundárias (Benfica, Ajax, etc).

O relatório da Delloite para a época 17/18 demonstra bem isso. São 9 (nove) clubes ingleses no top20 financeiro europeu e 13 (treze) no top30.
O Benfica fecha o top30.
Zenit (25º) e Besiktas (26º) compõem o lote de 3 clubes no top30 fora das 5 ligas principais.

O fosso financeiro das receitas regulares entre nós e as 5 ligas principais tem vindo a aumentar.
A nossa salvação (por agora) é que temos acesso ao dinheiro da Champions, coisa que está fora do alcance de muitos desses clubes das 5 ligas principais que têm mais receitas do que nós.
e os custos são iguais em ambos campeonatos também.

Isso que referes do acesso da liga dos campeões, não o que nos safa por agora, é mesmo as limitações do próprio crescimento dos clubes.

O nosso acesso ao mercado liga dos campeões é muito mais barato do que o de um everton etc.

Atendendo ao nosso mercado, 100 milhões é diferente de 100 milhões na liga inglesa.

Aliás, quais os clubes ingleses que gastam 100 milhões em ordenados?



Assumindo que esses valores estão correctos, TODOS os clubes da Premier League gastaram mais em salários na época 17/18 do que o Benfica (67M€) e apenas 4 clubes pagavam menos de 100M€ (~91M£) em salários à data.

E esse é o desafio para os próximos anos, aumentar, de forma sustentável, até aos 120M ou algo do género. Mas bem gastos. Este é o caminho para segurar cá as joias e, eventualmente, atrair talento. Mas paulatinamente, sem aventuras e sem contar com o ovo no cú da galinha... não quero voltar ao tempo em que tinhamos que vender em Janeiro.
Nos últimos anos a verba de salários / receitas operacionais esteve sempre entre os 55% e os 60%. Os 60% são um bom valor de referência para uma gestão equilibrada das contas. Mais que isso começa a ser muito arriscado e faz essencialmente depender o teu orçamento de outras entradas - mais dívida ou vendas de jogadores. Por oposição, este rácio no Porto e Sporting tem andado nos 80%, dai a posição financeira desequilibrada dos nossos rivais.

Por isso, para chegar aos 120 milhões de verba salarial teríamos de elevar as nossas receitas dos 120-130 atuais para os 200 milhões. Sinceramente não estou muito bem a ver como isso poderia acontecer para nós, sem que os valores para os clubes da Premier League também se eleve. Temos um contrato de longo prazo para os direitos de TV; a bilheteira pode melhorar incrementalmente mas nunca de uma forma muito significativa; os prémios de Champions podem aumentar mas estes andam de mão dada com os mercados de direitos de TV na Europa. Podem aumentar ainda mais, mas então também se elevarão os da Premier League.

Só consigo imaginar dois cenários que nos aproximariam da Premier League: ou a Liga Portuguesa se torna muito mais competitiva e se eleva de estatuto de uma forma muito significativa (pouco provável pelo tamanho do país e distribuição dos direitos de TV cá); ou o mercado de direitos de TV desinflaciona e faz com o que o futebol volte de certa forma a onde estava há 15-20 anos atrás. O terceiro cenário é eu ter falta de imaginação.

55M da champs
40M da TV
35M de patrocinadores & outros
20M de bilheteira - em crescendo

150M€

Isto é o "certo", assumindo que não se falha a CL.
Uma boa champions pode render 70M
Uma excelente champions pode render mais 80M

ARREB1MBA

  • Sénior
  • ****
  • Mensagens: 1472
  • Hoje às 02:52
já agora, fazendo contas muito simples, ao nível de receitas:

 - vendas 145M€
 - "matchday" ou seja, vendas de lugares no estádio cerca de 25 milhões de euros
 - commercial cerca de 35 milhões
 - liga dos campeões deve cerca de 60 milhões (cenário mais conservador)
 - receitas televisivas - mínimo de 42 milhões, acho que o valor é crescente, mas não deverá ser muito superior

portanto, receitas totais no valor de...307 milhões de euros.
assumindo que não há mais vendas (estou a ser optimista), e conservador nas receitas (se o ano for bom, o valor de commercial e liga dos campeões podem aumentar 10 a 20 milhões).


eu pessoalmente prefiro fazer as contas somente às receitas ordinárias, isto é, contar só com elas,para perceber verdadeiramente como estamos e para onde caminhamos.

Ainda falta um longo caminho até aos 200 ordinários. Aqui honestamente creio que é complicado subir pelas vias normais. A internacionalização e tal pode ajudar a crescer mais um pouco, mas o grosso do aumento terá de vir mesmo pela consolidação de participações meritórias na liga dos campeões.

Quando atingirmos os 200 de receitas ordinárias, e direccionarmos 50% para os vencimentos de atletas, treinadores estrutura, 100 milhões, então seremos um dos grandes europeus.
percebo o que dizes, mas quando conseguirmos, os outros grandes europeus já estarão também eles noutro patamar.
isso numa perspectiva de crescimento eterno.

Mas só uma elite de 5 ou 6 é que poderá beber com regularidade da fonte da liga dos campeões.

Há também limites ao crescimento dos clubes que estão associados à própria natureza das ligas em que participam.

Posso estar enganado, mas tirando os clubes italianos, Bayern, PSG, clubes ingleses, Real, Barça e até o ATMadrid estão hoje em dia cada vez mais fortes que os restantes e o fosso tem vindo alargar.
mas quais clubes ingleses e italianos? Todos? Neste momento quantos clubes ingleses consegues nomear que sejam desportivamente superiores ao Benfica?

depreendi que a conversa era sobre a vertente financeira dos clubes
é como a vertente financeira pode ter impacto na vertente desportiva.

O impacto não é igual em todos os clubes, porque o contexto é diferente de clube para clube.

então o Real, Barça, At. Madrid, "PSG", Manchesters, Liverpool, Bayern, têm hoje em dia condições financeiras, que têm vindo a crescer e aumentar o fosso para os restantes.
Não são apenas esses.
Neste momento quase qualquer clube inglês tem maior poderio financeiro do que o clube mais forte de ligas secundárias (Benfica, Ajax, etc).

O relatório da Delloite para a época 17/18 demonstra bem isso. São 9 (nove) clubes ingleses no top20 financeiro europeu e 13 (treze) no top30.
O Benfica fecha o top30.
Zenit (25º) e Besiktas (26º) compõem o lote de 3 clubes no top30 fora das 5 ligas principais.

O fosso financeiro das receitas regulares entre nós e as 5 ligas principais tem vindo a aumentar.
A nossa salvação (por agora) é que temos acesso ao dinheiro da Champions, coisa que está fora do alcance de muitos desses clubes das 5 ligas principais que têm mais receitas do que nós.
e os custos são iguais em ambos campeonatos também.

Isso que referes do acesso da liga dos campeões, não o que nos safa por agora, é mesmo as limitações do próprio crescimento dos clubes.

O nosso acesso ao mercado liga dos campeões é muito mais barato do que o de um everton etc.

Atendendo ao nosso mercado, 100 milhões é diferente de 100 milhões na liga inglesa.

Aliás, quais os clubes ingleses que gastam 100 milhões em ordenados?



Assumindo que esses valores estão correctos, TODOS os clubes da Premier League gastaram mais em salários na época 17/18 do que o Benfica (67M€) e apenas 4 clubes pagavam menos de 100M€ (~91M£) em salários à data.

E esse é o desafio para os próximos anos, aumentar, de forma sustentável, até aos 120M ou algo do género. Mas bem gastos. Este é o caminho para segurar cá as joias e, eventualmente, atrair talento. Mas paulatinamente, sem aventuras e sem contar com o ovo no cú da galinha... não quero voltar ao tempo em que tinhamos que vender em Janeiro.
Nos últimos anos a verba de salários / receitas operacionais esteve sempre entre os 55% e os 60%. Os 60% são um bom valor de referência para uma gestão equilibrada das contas. Mais que isso começa a ser muito arriscado e faz essencialmente depender o teu orçamento de outras entradas - mais dívida ou vendas de jogadores. Por oposição, este rácio no Porto e Sporting tem andado nos 80%, dai a posição financeira desequilibrada dos nossos rivais.

Por isso, para chegar aos 120 milhões de verba salarial teríamos de elevar as nossas receitas dos 120-130 atuais para os 200 milhões. Sinceramente não estou muito bem a ver como isso poderia acontecer para nós, sem que os valores para os clubes da Premier League também se eleve. Temos um contrato de longo prazo para os direitos de TV; a bilheteira pode melhorar incrementalmente mas nunca de uma forma muito significativa; os prémios de Champions podem aumentar mas estes andam de mão dada com os mercados de direitos de TV na Europa. Podem aumentar ainda mais, mas então também se elevarão os da Premier League.

Só consigo imaginar dois cenários que nos aproximariam da Premier League: ou a Liga Portuguesa se torna muito mais competitiva e se eleva de estatuto de uma forma muito significativa (pouco provável pelo tamanho do país e distribuição dos direitos de TV cá); ou o mercado de direitos de TV desinflaciona e faz com o que o futebol volte de certa forma a onde estava há 15-20 anos atrás. O terceiro cenário é eu ter falta de imaginação.

55M da champs
40M da TV
35M de patrocinadores & outros
20M de bilheteira - em crescendo

150M€

Isto é o "certo", assumindo que não se falha a CL.
Uma boa champions pode render 70M
Uma excelente champions pode render mais 80M
Uma Champions média (é isso que tem de ser considerado) é um valor entre:
- 45M€, equivalente a fazer uma fase de grupos medonha (como já aconteceu);
- e os 70M€, aproximadamente equivalente a passar a fase de grupos.

Portanto, em média, neste e no próximo ano, devemos considerar uma receita média de 55M€ da Champs.

Glorificus

  • Velha Glória
  • *****
  • Peniche
  • Mensagens: 5204
  • Dizem que somos loucos da cabeça!
  • Hoje às 04:26
Um Benfica sem dívidas financeiras pode bem pagar 65% das receitas op. em ordenados.

Se as receitas forem de  média de 150 M€. É viável pagar até 100 M€

Para 120M€, temos de ter 185 M€ em receitas op.

devermelhosempre

  • Sénior
  • ****
  • Aveiro
  • Mensagens: 2646
  • Hoje às 06:44
Um Benfica sem dívidas financeiras pode bem pagar 65% das receitas op. em ordenados.

Se as receitas forem de  média de 150 M€. É viável pagar até 100 M€

Para 120M€, temos de ter 185 M€ em receitas op.

Teremos semore que vender alguma coisa, o que nem é disparatado. Produzimos muito talento, mas nem todo é de nivel "A" e alguns da A também não são desse nível ou têm sucessão assegurada pelo seixal...

Mas lá está, como dizes, e a meu ver muito bem, convém não andar gastar recursos em divida, e isso são mais 4 anos, mas parece-me que se oode fazer isto de forma crescente.