53816 - Tópico: Decifrando imagens do passado  (Lida 105532 vezes)

RedVC

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 9033
  • Todos por um!
  • 16 de Julho de 2014, 22:04
Eu já vi essa fotografia legendada mas não me lembro onde. Está também no digitarq. As legendas por vezes são trocadas outras vezes explicam apenas parcialmente o que representam.

É possível que tenha alguma coisa nos meus arquivos terei de procurar mas só terei tempo lá para o fim de semana.

Agora assim de repente noto:

- trata-se da entrega de uma taça de campeão nacional.

- trata-se de Manuel da Conceição Afonso

- o placar do marcador indica AFL e AFP (presumo) o que parece ser Associação de Futebol de Lisboa e Associação de Futebol do Porto.

- o homem de óculos é Virgílio Paula antigo jogador do Benfica, depois dirigente do Clube de Futebol "os Belenenses" (está bem visível o emblema deste clube). Penso ter sucedido a Cosme Damião como presidente da comissão central de árbitros.

Fake Blood

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 28755
  • 16 de Julho de 2014, 22:09
Muito obrigado, da minha parte, completamente esclarecido.
Foi mesmo no digitarq. Malandros  :tickedoff:

RedVC

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 9033
  • Todos por um!
  • 17 de Julho de 2014, 20:43
A fotografia saiu num número do jornal do Benfica na década de 80 a propósito do campeonato de 1936-1937, o segundo campeonato que conquistamos.
Era um conjunto de crónicas publicadas na última página e assinadas por Vieira de Carvalho. Descreviam detalhadamente a evolução e conquista dos campeonatos ganhos pelo Benfica até à época de 1982-1983.



« Última modificação: 25 de Outubro de 2014, 14:23 por RedVC »

Ned Kelly

  • Júnior
  • ***
  • Mensagens: 931
  • 04 de Agosto de 2014, 18:27
Este tópico deveria estar na secção memórias. Muitpo bom, mesmo. A foto do nosso estádio no Campo Grande está demais. Dois rivais separados por escassos metros!

As nossas reservas usaram o pelado salvo erro até 1971.

RedVC

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 9033
  • Todos por um!
  • 16 de Agosto de 2014, 10:24
Este tópico deveria estar na secção memórias. Muitpo bom, mesmo. A foto do nosso estádio no Campo Grande está demais. Dois rivais separados por escassos metros!

As nossas reservas usaram o pelado salvo erro até 1971.

Pela minha parte (outros tem contribuído) muito obrigado.
Sim de facto talvez esteja melhor noutra secção. Deixo isso ao critério dos moderadores.

Tenho muito mais casos interessantes e alguns bem surpreendentes para expor aqui um destes dias. O tempo é que não é muito. Mas a seu tempo aqui aparecerão.

RedVC

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 9033
  • Todos por um!
  • 18 de Agosto de 2014, 22:02
-5-
Rostos familiares

Equipa do Instituto Industrial de Lisboa que participou no Campeonato Escolar do Foot-Ball de 1908

Fonte: Tiro e Sport, Hemeroteca de Lisboa


Camisola e calções brancos. Faixa azul e branca.


Instituto Industrial de Lisboa
(fonte: Wikipedia)
Fundado por decreto de 30 de Dezembro de 1852 de Fontes Pereira de Melo, integrado em 1869 no Instituto Industrial e Comercial de Lisboa (por fusão com a Escola de Comércio). A instituição funcionou, com múltiplas alterações, até 1911, ano em que foi dividida no Instituto Superior Técnico (IST) e no Instituto Superior de Comércio, actual Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG).



Nesta fotografia estão 3 (bem) antigas glórias entre os futebolistas pioneiros do Sport Lisboa e Benfica:
- Leopoldo Mocho que integrou o Sport Lisboa ainda desde o tempo das Salésias.
- Carlos Homem de Figueiredo que talvez tenha sido recrutado nesta equipa para o SLB.
- Germano Vasconcellos Júnior era atleta de diversas modalidades no Grupo Sport Benfica (antes da fusão). Futebolista ocupando várias posições no campo. Nesta equipa era aparentemente guarda-redes, eventualmente capitão de equipa.

Estão também Álvaro Vivaldo, Júlio Castro e Joaquim Gomes Cal que jogaram nas categorias inferiores do SLB. Álvaro Vivaldo não atingiu outra notoriedade porque o titular na sua posição na primeira categoria era Cosme Damião.

« Última modificação: 19 de Fevereiro de 2015, 09:23 por RedVC »

RedVC

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 9033
  • Todos por um!
  • 26 de Agosto de 2014, 20:17
-6-
À porta da Farmácia Franco

Vão ter de me desculpar a auto-citação mas é importante para enquadrar.

1916, preparativos para o embarque de tropas que combateriam na Primeira Guerra Mundial.

Rua de Belém. O grande fotógrafo Joshua Benoliel tira um instantâneo que ilustra um desfile.

Hoje longíquo, esse momento, esse ângulo capta outra coisa.



A Farmácia Franco.

Às suas portas abertas estão paradas seis pessoas a ver desfilar as tropas. Quem seriam? Não sabemos... Mas podemos calcular. Algum deles será Inácio José Franco, segundo conde do Restelo? Algum deles será o Dr. António de Azevedo Meireles? O que havia em comum a esses homens? Em 1904 foram os dois sócios beneméritos do Sport Lisboa,  mais tarde Sport Lisboa e Benfica. E quando o clube se mudou para as instalações de Benfica, eles continuaram com essa ligação.

É talvez a mais antiga fotografia da Pharmácia Franco. 1916. Doze anos depois da fundação do Sport Lisboa, oito anos depois da fusão com o Grupo Sport Benfica.

Esta fotografia está num artigo recente que faz parte de um conjunto de artigos sobre o glorioso jogador Álvaro Gaspar. Como diz o seu autor, o "Gaitán desse tempo". Aqui, no Em Defesa do Benfica:

http://em-defesa-do-benfica.blogspot.pt/

"A titularidade de Álvaro Gaspar", é o sétimo de um conjunto de doze artigos que serão publicados durante o ano de 2014. A não perder.

É hoje minha convicção de que o homem de bata branca à porta da Farmácia Franco é Daniel Santos Brito. Funcionário da Farmácia Franco. Colega de Manuel Gourlade. Ambos fundadores do Sport Lisboa. 
A Farmácia Franco era propriedade de Pedro Franco e tinha como médico responsável o Dr. António de Azevedo Meireles, sócios beneméritos do Sport Lisboa. Em 1916, presumo que Gourlade já não era funcionário da Farmácia. Foi trabalhar como interprete para o porto de Lisboa. Daniel dos Santos Britos, especulo eu, terá sido juntamente com o seu patrão as "mãos amigas" que levaram Manuel Gourlade para o seu último ninho, o asilo D' Espie Miranda . A primeira Águia teve outras que souberam cuidar dela.

Aqui fica a ligação, feita comparando com uma outra fotografia de Daniel Santos Brito já numa fase mais idosa:


Fonte: AML
 
« Última modificação: 19 de Fevereiro de 2015, 09:24 por RedVC »

Fake Blood

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 28755
  • 27 de Agosto de 2014, 16:50
 Craque :bow2: :bow2: :bow2: :bow2: :bow2: :bow2:

RedVC

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 9033
  • Todos por um!
  • 28 de Agosto de 2014, 23:32
Obrigado Fake.  O0

-7-
Sonho de uma noite de Verão

Primeira equipa do CFB, 1919.



Ex-Benfiquistas: Carlos Sobral, Francisco Pereira, Aníbal dos Santos, Manoel Veloso, Alberto Rio, Romualdo Bogalho e Artur José Pereira. Falta aqui ainda Henrique Costa que quase não jogou dada a sua veterania. Todos filhos de Belém.

Carlos Sobral foi um grande nadador e talvez o primeiro grande globe-trotter futebolístico: CIF, SCP, SLB, CFB e... selecção AFL.

Bogalho e Santos jogaram na categoria principal mas não atingiram a proponderância dos outros.

Joaquim Rio era irmão de Alberto e embora ainda não tenha certeza penso que poderá ter chegado a jogar nas categorias inferiores do SLB.

Francisco Pereira jogou desde muito cedo (categoria suplementar) no Sport Lisboa e Benfica. Era irmão de Artur José Pereira.

Alberto Rio e Artur José Pereira foram desertores para o SCP.

O segundo foi a primeira grande estrela do futebol Português.

Alberto Rio foi o gatilho para a formação do CFB. Depois de desertar para o SCP onde nunca voltou a exibir-se ao mesmo nível. Curiosamente alguns dirigentes do SCP tiveram a decência de ser contra essa contratação. Não sei detalhes mas penso ter existido a possibilidade de Rio rgressar ao SLB mas a Direção defendeu os valores que sempre nortearam o clube (particularmente quando Cosme Damião foi o capitão-geral) e recusou. A pressão dos seus ex-colegas Belensenses levou a roturas. Henrique Costa diligente e dedicado capitão tentou mediar o conflito mas nada havia a fazer. Depois, numa noite de Verão surge a tal reunião espontânea no banco de Jardim em Belém. Artur José Pereira, nessa altura no SCP lidera o sonho de voltar a formar um clube representativo da zona de Belém. O Ajudense e o Sport União Belenense estavam extintos havia anos. O Sport Lisboa era agora Benfica. E esses tempos estavam na nostalgia dos filhos de Belém.

Rezam as crónicas que o passo seguinte levou Artur José Pereira a pedir a Jorge Vieira para que intermediasse junto de Francisco Stromp para o dispensar do SCP. A resposta de Stromp foi manda-lo à "merda" e que fosse fundar o clube a Belém. Estava aberto o caminho.

E assim a partir desse momento para o SL Benfica o viveiro de Belém quase que estancava. Também Francisco Belas e Luís Vieira viriam de alguma forma a envolver-se no novo clube embora já não como jogadores dada a sua veterania. Luis Vieira é um caso particularmente interessante. Velha glória do Sport Lisboa desde os tempos das Salésias, foi um dos resistentes aquando da deserção de 1907, chegou a... presidente do Belenenses (penso que o terceiro, entre 1921 e 1924).

A genealogia das primeiras equipas do SCP, CFB e Casa Pia passa pelo.... Sport Lisboa e Benfica.
« Última modificação: 17 de Janeiro de 2015, 17:09 por RedVC »

RedVC

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 9033
  • Todos por um!
  • 30 de Agosto de 2014, 14:05
-8-
A última alegria do Chacha

Está quase. Está quase a fazer 99 anos que morreu o grande Álvaro Gaspar.

No dia 3 de Setembro estejam atentos ao último episódio da vida e percurso de Álvaro Gaspar que está a ser publicada por Alberto Miguéns no seu blog "Em Defesa do Benfica". Será como sempre magnífico e terá seguramente factos novos, nunca antes revelados.

Antes, e a propósito do S. L. Benfica vs SCP de amanhã, aqui fica uma evocação desse pequeno grande génio a partir de uma descoberta que fiz quase por acaso.

17 Janeiro 1915, Campo de Sete Rios.
O Sport Lisboa e Benfica vence o Sporting por 3-0
A nossa equipa alinha com:
Mário Monteiro, Henrique Costa, Leopoldo Mocho, Carlos Homem de Figueiredo, Cosme Damião (cap.), Aníbal Santos, Manuel Veloso, Rogério Peres, Herculano Santos, Cândido de Oliveira e Francisco Pereira.

Golos: Rogério Peres (2) e Herculano Santos (1)

Na nossa equipa notam-se duas faltas:
Artur José Pereira, a grande estrela dos anos anteriores tinha desertado para o SCP.
Álvaro Gaspar, o pequeno génio. Onde estaria ele?

Mas não, ele não era feito da mesma massa de AJP. O "Chacha" continuava e continuaria sempre fiel ao nosso clube.

Infelizmente estava impossibilitado de jogar pela doença que padecia desde há alguns meses. Apaixonado pelo Benfica, apesar de gravemente doente ele não poderia faltar ao grande jogo.

E de facto... atentem na imagem da assistência desse célebre jogo:



Sim, é ele. O "Chacha".

Debilitado pela terrível doença que o viria a vitimar, em dia de inverno, ainda assim ele estava lá para ver os seus companheiros. Lá, pouco anónimo entre a assistência, teve uma das últimas alegrias da sua curta mas intensa vida. No final o seu Benfica vencia por 3-0. O seu Benfica, sim, ele que o sentia intensamente, ele que era ainda do tempo do Sport Lisboa (conforme Alberto Miguéns provou).

Do lado do SCP, surpreendentemente, Artur José Pereira não alinha. Essa circunstância poupou Gaspar ao desgosto de ver mais um antigo companheiro do outro lado. Ainda assim alinham pelo SCP os desertores Boaventura Silva e os dois Catataus, António e Cândido.

Muito provavelmente para Gaspar terá sido o último S.L. Benfica vs SCP. Sabemos agora que ele estava lá, entre a assistência a ver o seu Benfica.

Oito meses mais tarde estava morto.

Paz e honra aos que glorificaram o nosso Benfica. Paz e honra a Álvaro Gaspar.


Fonte: blog Em Defesa do Benfica


ps: Alberto Miguéns ao localizar e divulgar a certidão de óbito demonstrou que a doença fatal de Gaspar foi uma tuberculose. Doença terrível que nessa época não tinha cura e que também levou figuras ilustres da sociedade Portuguesa. Comovente, a descrição de que antes da morte pediu para darem um abraço ao seu mentor, amigo e capitão Cosme Damião. E que a bandeira do Benfica cobrisse o seu caixão. Assim foi.

Ainda hoje, no cemitério da Ajuda está anónima mas preservada a gaveta contendo os seus restos mortais. O seu grande admirador António Ribeiro dos Reis tratou disso. Ribeiro dos Reis jogava nas camadas inferiores quando Álvaro Gaspar era uma estrela. Por isso e por acima de tudo ser um grande Benfiquista, Ribeiro dos Reis tratar de preservar a última morada de Gaspar. Os grandes Benfiquistas sabem ser gratos aos outros grandes Benfiquistas.


« Última modificação: 19 de Fevereiro de 2015, 09:24 por RedVC »

slbfan1904

  • Juvenil
  • **
  • Mensagens: 145
  • Sócio: 23692
  • 12 de Setembro de 2014, 01:33
Que maravilha de leitura. Obrigado!

HJDK

  • Eusébio
  • ******
  • “The question isn’t how, it’s when.” Mikkel
  • Mensagens: 34560
  • 12 de Setembro de 2014, 01:38
Excelente.

RedVC

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 9033
  • Todos por um!
  • 13 de Setembro de 2014, 09:34
Obrigado a ambos.  O0

Há mais casos para aqui expor. A nossa história é rica em pessoas e factos. Falta é tempo de qualidade para compilar informação e torna-la apresentável.

Por outro lado como alguns colegas do fórum tem apontado, esta talvez não seja a melhor secção para este tópico. Na altura pareceu-me bem mas agora a evolução foi noutro sentido. Fica ao critério dos moderadores.
« Última modificação: 13 de Setembro de 2014, 20:30 por RedVC »

saivet

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 25705
  • 15 de Setembro de 2014, 19:43
Grande!!

RedVC

  • Eusébio
  • ******
  • Mensagens: 9033
  • Todos por um!
  • 23 de Setembro de 2014, 16:16
-9-
Recuando no tempo

Bem, lá estou eu a citar-me... mas é para contextualizar.

1916, preparativos para o embarque de tropas que combateriam na Primeira Guerra Mundial.

Rua de Belém. O grande fotógrafo Joshua Benoliel tira um instantâneo que ilustra um desfile.

Hoje longíquo, esse momento, esse ângulo capta outra coisa.



A Farmácia Franco.

Às suas portas abertas estão paradas seis pessoas a ver desfilar as tropas. Quem seriam? Não sabemos... Mas podemos calcular. Algum deles será Inácio José Franco, segundo conde do Restelo? Algum deles será o Dr. António de Azevedo Meireles? O que havia em comum a esses homens? Em 1904 foram os dois sócios beneméritos do Sport Lisboa,  mais tarde Sport Lisboa e Benfica. E quando o clube se mudou para as instalações de Benfica, eles continuaram com essa ligação.

É talvez a mais antiga fotografia da Pharmácia Franco. 1916. Doze anos depois da fundação do Sport Lisboa, oito anos depois da fusão com o Grupo Sport Benfica.

...


Uma nova fotografia, uma vez mais de Joshua Benoliel:


Fonte: AML

Esta não é tão bonita mas é igualmente relevante do ponto de vista histórico.

Recua a 1910.

Rua de Belém, cerimónia integrada nas comemorações do Centenario do nascimento do historiador Alexandre Herculano.

Como disse não é tão bonita mas tem o mérito de fazer recuar em seis anos a data relativa à mais antiga fotografia em que se vislumbra a Farmácia Franco.



Seis anos após a fundação do Sport Lisboa. Dois anos após a fusão com o Grupo Sport Benfica.

Note-se que existem pessoas nas varandas do prédio onde estava a Farmácia Franco. Ora sabemos que a família dos Catataus morava nesse prédio. Há pois uma boa probabilidade de nessas varandas estarem alguns fundadores do Sport Lisboa.



Bem, nessa altura já eram membros do SCP. Enfim, uma família que preferiu os chás dançantes. Mas nem por isso deixa de ser uma família a quem a família Benfiquista deve muito.

« Última modificação: 19 de Fevereiro de 2015, 09:25 por RedVC »