Country
Suécia

Stromberg

Nome completo
Glenn Stromberg
Naturalidade
Gotemburgo (suécia)
Data de nascimento
1960-01-05
Periodo no Benfica

1983 - 1984

Tinha pressa, muita pressa, sempre pressa, mas não perdia a graciosidade. Era pressa de lutador, pressa de indomável, como a pressa dos vikings, seus antepassados. E depressa se afirmou na pressa das vitórias, na pressa dos títulos. Ainda à pressa, saiu do Benfica, ele que tão depressa conquistou dois Campeonatos e uma Taça. Tudo na pressa de apenas dois anos.

Longa cabeleira amarela ao vento, no alto dos seus quase um metro e 90, Stromberg destacava-se pelo sentido estético. Ora a defender, ora a atacar. Um nórdico recauchetado, com arte, com perfume de odor quente. “Foi dos jogadores que mais me entusiasmaram”, revela Fernando Chalana, assinado gabo que nenhum amante do oficio enjeitaria receber. De olhar profundo, agressivo era, tinha mesmo instinto assassino. Pernalta, varria a zona de jurisdição com indisfarçável egoísmo. Era Stromberg, a panaceia do miolo encarnado.

Com o compatriota Eriksson, chegou ao Benfica ia já a mais de meio a temporada de 82/83. O clube sufocava de ambição, na perspectiva de recuperar o titulo nacional e de brindar com a excelência do seu futebol os melhores palcos europeus. Juntou-se a Bento, a Humberto, a Carlos Manuel, a Alves, a Nené, a Chalana. A uma equipa na esteia das melhores de 60 e do principio de 70. Uma delicia de colectivo, ademais superiormente regido. Que chegou à final da Taça UEFA, frente ao Anderlecht, após imperial trajecto. Soçobrou em glória, que o mesmo é dizer, no derradeiro fôlego.



Na época seguinte, Stromberg revalidou o titulo e juntou-lhe uma Taça de Portugal, ganha à custa do FC Porto. Pela primeira vez, uma final disputava-se na temporada seguinte à da sua calendarização inicial. Tudo porque a teimosia do FC Porto era não abrir mão das Antas. Nas Antas foi. O Benfica venceu. Carlos Manuel marcou, Stromberg deslumbrou.

O belo edifício ruiu. Eriksson avançou para Itália, seduzido pelas liras de um contrato faraó. Chalana, em alta, rumou ao Bordéus. Stromberg decidiu-se, à semelhança do treinador, pelas paragens italianas, pela Atalanta. Trocavam-se jogadores por cimento, no fecho do Terceiro Anel da velha e majestática Luz. Sinal dos tempos. Tempos que consagraram Stromberg. Um autêntico glutão. Dois anos, dois títulos de campeão nacional. E o abandono. Depressa de mais.

 

Épocas no Benfica: 2 (82/84)

Jogos: 44

Golos: 6

Títulos: 2CN, 1TP

 

Texto: Memorial Benfica, 100 Glórias
Copiado de Ednilson

Estatísticas

Jogos Minutos Cartões Amarelos Cartões vermelhos Golos
Total 44 3416 1 0 6
Seniores > 1982/1983 > SL Benfica 8 649 0 0 0
 
Campeonato Nacional 4 316 0 0 0
Taça de Portugal 2 176 0 0 0
Taça UEFA 2 160 0 0 0
Seniores > 1983/1984 > SL Benfica 36 2767 1 0 6
 
Campeonato Nacional 25 2004 1 0 3
Taça de Portugal 3 226 0 0 1
Taça dos Campeões Europeus 6 523 0 0 2
Supertaça 2 18 0 0 0

Primeiro jogo

SL Benfica 1 x 1 Vitória FC

Sábado, Fevereiro 5, 1983 - 00:00

Estádio da Luz ,

SL Benfica: Bento, Humberto Coelho, Pietra, António Bastos Lopes, Carlos Pereira, Diamantino, João Alves, Shéu (Stromberg [45m]) (Stromberg [45m]), Carlos Manuel, Nené, Chalana
Coach: Eriksson
Golos: Humberto Coelho (52 (g)

Último jogo

Portimonense 0 x 2 SL Benfica

Domingo, Maio 13, 1984 - 00:00

Municipal de Portimão ,

SL Benfica: Delgado, António Bastos Lopes, Veloso, Pietra, Álvaro Magalhães, Oliveira, José Luís (Carlos Manuel [58m]), Shéu, Diamantino, Chalana (Stromberg [78m]), Nené
Coach: Eriksson
Golos: Shéu (78), Nené (67)

Títulos

Notícias relacionadas

Nenhum item encontrado