SL Benfica 1 x 0 Nacional

  • Futebol
  • Juniores A
  • 2006/2007
  • campeonato nacional - 1ª fase
  • Futebol
  • Juniores A
  • 2006/2007
  • Futebol
  • Juniores A
  • Futebol
Date
Sábado, Dezembro 16, 2006 - 15:00
Estado
Realizado
Equipa que ganha não se mexe, e o técnico encarnado manteve o 4-4-2 com um losango a meio-campo. Apenas algumas mudanças no onze inicial, devido à indisponibilidade de Gregor Balazic e Ruben Lima. Bruno Parreira também lesionado, não foi convocado. A equipa que se apresentou de ínicio no Caixa Futebol Campus foi a seguinte: Rui Santos na baliza, André Casaca jogou no lado direito da defesa, jogando Miguel Víctor e Nuno Ferreira como centrais. Edgar Martins ocupou o lado esquerdo da defesa. Romeu Ribeiro foi o trinco, jogando João Ferreira à direita, Kaz Patafta na esquerda, e André Carvalhas como camisola 10. Sami e Milan Jeremic foram os avançados de serviço para atacar a baliza do Nacional da Madeira.

Domínio absoluto, faltaram os golos

O Benfica entrou muito bem no jogo, com os jogadores encarnados a tomarem as rédeas do encontro. Sempre pelo lado esquerdo, onde Edgar Martins ia fazendo boas combinações com Kaz Patafta e André Carvalhas, o Benfica ia tentando chegar à baliza contrária. Por esta altura, Patafta ia tendo bons pormenores, que iam criando desiquilibrios no jogo. André Carvalhas, sempre ele a comandar os ataques, descaia muitas vezes para o flanco esquerdo e foi por esse lado que ia cavando algumas faltas junto à área do Nacional. No entanto, todo o futebol ofensivo do Benfica esbarrava na defesa contrária, devido à falta de capacidade criativa dos dois homens do ataque. Jeremic estava apagado, mostrando claramente não estar na sua melhor forma física. Mas tudo não passou de uma ilusão. A partir dos 20 minutos da primeira parte, o avançado sérvio começou com os seus habituais sprints direccionados à baliza contrária. O Nacional era uma equipa muito mal organizada, jogando com cinco homens no meio-campo, mas mesmo assim perdendo o mesmo para o Benfica. Apenas um remate a destacar dos homens da Madeira na primeira parte, foi numa tentativa de chapéu ao guarda-redes Rui Santos. Aos 35 minutos, começou o 'show' Jeremic. O sérvio quase conseguia o primeiro golo do encontro, depois de um espectacular remate à meia volta. Sempre a descair para as linhas, como tão bem ele sabe, Jeremic, passado cinco minutos, apareceu isolado depois de uma excelente abertura de um companheiro e rematou de pé esquerdo permitindo a defesa do guardião contrário. O aviso estava mais que dado, e demorou apenas mais dois minutos, até que Jeremic, depois de uma jogada de contra-ataque do Benfica, recebeu uma bola vinda de um ressalto, matou no peito e de pé esquerdo fuzilou o guarda-redes contrário. Golo muito festejado por todos, dedicado pelo sérvio a todos os presentes nas bancadas. O Benfica foi muito dominador, mas podia ter ido para o intervalo com uma maior vantagem no placar.

Segunda parte muito morna do Benfica

Como já vem sendo hábito, o intervalo fez mal à equipa e os jogadores entraram muito desconcentrados na partida. O Nacional ia dominando, e apareceu muito forte a meio-campo, sector que tinha estado bastante débil no primeiro tempo. O Benfica acordou, e aos sete minutos da segunda parte, Nuno Ferreira com a bola controlada desde o meio-campo, passou por tudo e por todos e só o poste negou um grande golo ao defesa central do Benfica. O Benfica ia trocando a bola, e Romeu Ribeiro ia varrendo todo o futebol ofensivo do Nacional. Aos 66 minutos, Dalibor rendeu o bastante apagado Sami, e a equipa passou a actuar com Patafta a 10, Dalibor à esquerda, João Ferreira à direita, e Carvalhas com Jeremic na frente. As trocas posicionais fizeram mal à equipa, e Patafta mostrou uma clara incapacidade para dominar o meio-campo. O Benfica perdeu a partir desta altura o controlo do jogo, e Miguel Víctor e Nuno Ferreira iam resolvendo todos os problemas criados pelo Nacional. Que jogo dos dois centrais! Aos 79 minutos, saiu Patafta para a entrada de Carlitos. Carvalhas voltou à posição 10. O Benfica tentava sempre explorar a velocidade de Jeremic, que juntamente com João Ferreira e Romeu Ribeiro, estavam a ser os jogadores mais capazes para contrariar o jogo do Nacional. A verdade é que o Nacional mostrou ser sempre uma equipa sem recursos ofensivos, e não conseguiu assustar por nenhuma ocasião o guarda redes, recém chamado ao próximo estágio da selecção Nacional sub-18, Rui Santos. Ainda antes do final do encontro, o homem do jogo, Jeremic, recebeu os aplausos do público, sendo substituído por Danilson, depois de mais uma excelente exibição.

Comentários Finais:

Rui Santos teve uma tarde com muito pouco trabalho. Fez o que lhe foi pedido.

A defesa esteve hoje um pouco permeável nas laterais, mas a excelente exibição dos dois centrais completou qualquer falha dada por André Casaca e Edgar Martins. O capitão, André Casaca, esteve hoje abaixo do que tem feito. Com poucos cruzamentos efectuados, subiu de rendimento no segundo tempo criando alguns embaraços à defesa nacionalista. Miguel Víctor esteve perfeito a nível defensivo, sempre a cortar tudo, ora de cabeça, ora com os pés. Mais uma grande exibição de Miguel Víctor, que continua a merecer as recentes oportunidades que lhe têm sido dadas na selecção nacional de sub-18. Nuno Ferreira fez também uma excelente exibição. Na primeira parte esteve um pouco nervoso, mas no segundo tempo foi o jogador mais seguro da defensiva. Excelente em todos os lances defensivos, mostrou ainda uma grande serenidade e excelentes pormenores a sair para o ataque. Edgar Martins ia efectuando boas combinações com os seus companheiros de ataque, mas mostrou-se incapaz de fazer cruzamentos para a área contrária. Ruben Lima faz falta, mas Edgar Martins mostrou ser uma boa alternativa.

O meio-campo foi totalmente controlado por Romeu Ribeiro. Mais um excelente jogo do trinco do Benfica, quer a defender, quer a construir jogo. João Ferreira voltou a ser dos melhores. Agarrou a oportunidade e é um dos jogadores chaves do Benfica. Muito forte a defender, menos bem a atacar, mas grande exibição a todos os níveis do médio português. Por falar em nacionalidades, o australiano Kaz Patafta esteve muito bem na primeira parte, mostrando excelentes pormenores técnicos mas pouca velocidade na execução dos mesmos. O Benfica perdeu o meio-campo quando jogou na sua posição natural, e talvez esteja encontrada uma boa opção para o lado esquerdo do losango. André Carvalhas jogou na posição 10, e na primeira parte estava a ser dos mais inconformados. Excelente a nível de finta, ia abrindo o jogo do Benfica. Criou boas jogadas de perigo e apesar de ter baixado o rendimento no segundo tempo, contribuiu para grande parte do jogo do Benfica se ter efectuado pelas alas, devido à sua excelente visão de jogo e grande qualidade de passe.

Na frente, Jeremic continua a deslumbrar. O sérvio corre, corre e corre. No meio de tanta corrida, é um regalo para a vista ver este jogador a actuar. Vai às alas, vem para dentro e consegue sempre dar objectividade aos seus lances. Marcou um golo de belo efeito, podia ter feito mais dois, e continua a ser o principal desiquilibrador da equipa de Juniores deste ano. Melhor em campo! Sami teve uma exibição francamente má, escorregando demasiadas vezes, e sempre muito trapalhão com a bola nos pés.

Dalibor Stojanovic ajudou o Benfica na tentativa de segurar o jogo ofensivo do Nacional. Carlitos deu velocidade ao ataque, e Pedro Danilson apenas jogou dois minutos.

Notas individuais:

1. Rui Santos - 3
2. André Casaca - 3
3. Nuno Ferreira - 4
4. Miguel Víctor - 4
5. Edgar Martins - 3
6. Romeu Ribeiro - 4
7. Milan Jeremic - 5
8. João Ferreira - 4
9. Leocisio Sami - 2
10. André Carvalhas - 4
11. Kaz Patafta - 3

16. Dalibor Stojanovic - 3
17. Pedro Danilson - 3
18. Carlos Correia - 3

André Sabino, Serbenfiquista.com

Onze Inicial

Banco

Treinador

Momentos

42 Jeremic
66 Sami Substituído por Dalibor Stojanovic
79 Kaz Patafta Substituído por Carlos Correia
90 Jeremic Substituído por Pedro Danilson

Onze Inicial

Banco

Treinador

Momentos

Coming soon

Notícias relacionadas

Nenhum item encontrado