Portugal

Numa hipotética bolsa de apostas, Batatinha seria alcunha atribuível a um artista de circo, decerto palhaço, bem à cabeça das preferências. Já jogador de futebol não entraria, provavelmente, nas cogitações. Mas era mesmo. Pelo menos Alberto Augusto, o Batatinha, vá lá saber-se porquê, o avançado do Benfica, de 1917 a 1924. Dele se recordarão apenas os adeptos de muito provecta idade ou os estudiosos da bola, sobretudo na variante benfiquista.

Nasceu ainda no século XIX, no mesmo ano de Ferreira de Castro, Garcia Lorca ou Serguei Eisenstein. Nasceu mesmo antes do jogo, no que a Portugal diz respeito. Do jogo de futebol, importado da Inglaterra, que só na primeira década do século XX começou a organizar-se. Alberto Augusto vestiu a camisola do Benfica durante sete anos.

Foi na idade-bebé da bola que despontou. Viviam-se os rudimentos do jogo. Mas no bê-á-bá começou a impor-se. De estatura mediana, rezam as crónicas da época que se transformou num avançada empreendedor, versátil. Parecia até antecipar uma nova era.

Alberto João Augusto, de seu nome completo, venceu dois Campeonatos de Lisboa, apontando golos decisivos. As suas qualidades ajudaram a ganhar adeptos para a causa, então embrionária, do futebol e do Benfica. Com o estatuto de intocável, obteve a consagração máxima na primeira convocatória da Selecção Nacional. Acompanhado pelos também benfiquistas Vítor Gonçalves e Ribeiro dos Reis, no longínquo 18 de Dezembro de 1921, defrontou a Espanha, em Madrid, no primeiro jogo internacional de Portugal. Alberto Augusto, o Batatinha, marcou de grande penalidade ao lendário Zamora, mas não evitou o desaire (3-1) da nossa equipa. Ainda nesse jogo histórico, actuou ao lado do irmão, Artur Augusto, do FC Porto, que pouco tempo depois haveria de se transferir para o Benfica. Em mais três ocasiões, Alberto Augusto voltaria a envergar a camisola das quinas, a última das quais já em representação do Sporting de Braga.

Eclético, foi também praticante de atletismo, ainda que não tenha atingido grande expressão nessa modalidade. No Minho, em final de carreira, a jogar chegou na posição de guarda-redes (!), alardeando uma polivalência que, por esses anos, nada tinha de anormal.

Se Vítor Silva (1927-19369) é unanimemente considerado o primeiro grande avançado do Benfica, Alberto Augusto terá sido o mais brilhante e destacado dos seus antecessores. Daí a sua presença, intransferível e singular, no arquivo benfiquista.



 

Épocas no Benfica: 7 (17/24)
Jogos: 39
Golos: 9

Titulos:
2 Campeonatos de Lisboa


 

Texto: Memorial Benfica, 100 Glórias
Copiado de Ednilson

Primeiro jogo

Domingo, Janeiro 27, 1918 - 00:00

Campo do Benfica ,

SL Benfica: Clemente Guerra, Francisco Belas, Artur Augusto, Francisco Nunes, Cândido de Oliveira, Luís Vieira, Carlos Sobral, Alberto Rio, Manuel Veloso, Jesus Crespo, Alberto Augusto
Treinador: Cosme Damião
Golos: Luís Vieira (), Jesus Crespo ()

Último jogo

Domingo, Abril 13, 1924 - 00:00

Campo Grande (Estância de Madeira) ,

Sporting CP: Francisco Vieira, José Pimenta, Manuel Crespo, Fernando Jesus, Vitor Gonçalves, Alberto Augusto, Jesus Crespo, José Simões, Jorge Figueiredo, João de Morais, Ribeiro dos Reis
Treinador: Cosme Damião

Títulos

Notícias relacionadas

Nenhum item encontrado