País
Portugal

José Torres

Nome completo
José Augusto Costa Sénica Torres
Número
9
Naturalidade
Torres Novas (Portugal)
Periodo no Benfica

1959 - 1971

São muitos os que dizem que jamais se pode ser boa pessoa se de animais não se gostar. José Torres, o Bom Gigante, sempre gostou. Sempre, não. Um dia houve, já adolescente, acometido de raiva, em que matou todos os pombos voejantes da casa de família. Ao cair em si, chacina consumada, não susteve lágrimas de arrependimento. Deu-lhe o pai uma bola, para que o sorriso substituísse o desespero. Fez-se jogador de futebol e columbófilo. As duas paixões de uma vida.

Bem se pode falar de hereditariedade no gosto de José Torres pelo oficio do chuto. Francisco, o pai, havia jogado no Carcavelinhos; o tio, Carlos, no Benfica. No Desportivo de Torres Novas, o clube da terra, estrear-se-ia José Torres. Com uma fisionomia invulgar, começou a marcar golos ao ritmo de enxurrada. Como poderiam os adversários escondê-lo no jogo? Era de todos o maior, no alto do seu cerca de metro e noventa. Acima dele só céu…

As proezas de Torres começaram a ser badaladas. Logo se acoitou no Benfica, no início do ano de 1959. Três temporadas penosas passou, tão intenso era o brilho de José Águas e tão ingratos eram também os regulamentos da época. “Durante a minha carreira de jogador, tive momentos em que o azar me bateu à porta mais do que devia. Por exemplo, na final da Taça dos Campeões Europeus, contra o Real Madrid, quando o Benfica conquistou o segundo titulo europeu. Só não joguei e não me sagrei, de facto, campeão da Europa, porque os regulamentos ainda impediam, estupidamente, que se fizessem substituições. O Cavem lesionou-se, eu era o único avançado no banco, o Benfica continuou a jogar com dez só porque… substituir era proibido!”.



Atravessou o melhor bocado da saga europeia vermelha sem intervenção. Até que, em 62/63, já com Fernando Riera no posto de Bela Guttmann, em pleno se afirmou. Inclusive, foi o artilheiro-mor do Campeonato, com 26 golos (21 jogos), mais três que Eusébio. De resto, nesse ano, só o Sporting (71) e o FC Porto (61) marcaram mais que a nova dupla (49) da voluptuosidade benfiquista.

Faltou a Torres o ceptro europeu. Frente ao AC Milan, derrota por 2-1, apesar de Eusébio ter inaugurado a contagem, prenunciando uma superioridade que não veio a confirmar-se. O Bom Gigante, na tarefa ciclópica de fazer esquecer a boa pinta de José Águas das duas edições anteriores, não se saiu bem, em branco ficou. Distante, muito distante, do que havia rendido, no começo desse ano, no torneio Ramon Carranza, com a Fiorentina. A meia hora do fim, subsistia um empate a três bolas. Torres entrou e… quatro tentos fez, de rajada, naquela heróica vitória. Confirmava-se nova profecia de Guttmann, que meses antes havia dito: “Esse jovem gigante que não tem físico de futebolista chama-se Torres, é suplente de José Águas, mas um dia será avançado-centro do Benfica e a Europa ouvirá falar muito dele. Apesar de pouco jogar na equipa, se algum clube o quisesse contratar teria de dar dois mil contos ao Benfica, mas dentro de três anos nem pelo dobro…”.



José Torres continuou a caminhar em glória. E se epifenómeno foi, a responsabilidade é de Eusébio, que todos (quase) eclipsou. Durante uma dúzia de anos no clube, Torres fez 259 jogos oficiais e marcou 226 golos. Venceu nove Campeonatos e quatro Taças de Portugal. Um registo impressionante, valorado ainda com o titulo de melhor marcador do Nacional 62/63. Para já não referir as três presenças noutras tantas finais europeias. “Sinceramente, a minha maior tristeza foi não ter sido campeão da Europa”.

Na equipa nacional, José Torres está indissociavelmente ligado à campanha dos Magriços. Três golos marcou na Inglaterra, com destaque para o último, frente à União Soviética, que permitiu a Portugal subir ao pódio. Foi 31 vezes internacional, enquanto jogador do Benfica, logrando 14 golos.

Terminou a carreira no Estoril, na condição de treinador-jogador, após uma digna passagem pelo melhor Vitória de Setúbal de sempre, nos píncaros da Europa, circunstância que até o (re)conduziu à Selecção Nacional. Justamente na qual, já como responsável máximo, pouco depois de ter dado inicio à carreira de treinador, viria a garantir a qualificação para o México 86. Depois do monumental golo do benfiquista Carlos Manuel, em Estugarda, no tal jogo em que pediu que o deixassem sonhar.

Se mais sonhos teve, talvez nem às paredes confesse, como se ouve na popular canção. Uma coisa, porém, é certa, José Torres fez os adeptos sonharem mais alto. E, não poucas vezes, foi ele o arquitecto do sonho.

 

Épocas no Benfica: 12 (59/71)

Jogos: 259
Golos: 226

Títulos: 9CN, 4TP

Texto: Memorial Benfica, 100 Glórias
Copiado de Ednilson

 

Estatísticas

Jogos Minutos Cartões Amarelos Cartões vermelhos Golos
Total 88 7304 0 0 75
Seniores > 1958/1959 > SL Benfica 0 0 0 0
Seniores > 1959/1960 > SL Benfica 3 270 0 0 2
 
Campeonato Nacional 2 181 0 0 2
Taça de Portugal 1 91 0 0 0
Seniores > 1960/1961 > SL Benfica 5 450 0 0 11
 
Campeonato Nacional 2 181 0 0 2
Taça de Portugal 3 271 0 0 9
Seniores > 1961/1962 > SL Benfica 3 270 0 0 10
 
Taça de Portugal 3 271 0 0 10
Seniores > 1962/1963 > SL Benfica 8 720 0 0 12
 
Campeonato Nacional 4 361 0 0 5
Taça de Portugal 1 91 0 0 7
Taça dos Campeões Europeus 3 271 0 0 0
Seniores > 1963/1964 > SL Benfica 5 450 0 0 5
 
Campeonato Nacional 4 361 0 0 4
Taça de Portugal 1 91 0 0 1
Seniores > 1964/1965 > SL Benfica 4 360 0 0 2
 
Taça de Portugal 1 91 0 0 0
Taça dos Campeões Europeus 3 271 0 0 2
Seniores > 1965/1966 > SL Benfica 6 540 0 0 2
 
Campeonato Nacional 2 181 0 0 0
Taça de Portugal 2 181 0 0 1
Taça dos Campeões Europeus 2 181 0 0 1
Seniores > 1966/1967 > SL Benfica 3 270 0 0 4
 
Taça das Cidades com Feira 1 91 0 0 1
Campeonato Nacional 1 91 0 0 0
Taça de Portugal 1 91 0 0 3
Seniores > 1967/1968 > SL Benfica 4 360 0 0 1
 
Campeonato Nacional 3 271 0 0 1
Taça dos Campeões Europeus 1 91 0 0 0
Seniores > 1968/1969 > SL Benfica 21 1684 0 0 12
 
Campeonato Nacional 10 880 0 0 8
Taça de Portugal 8 536 0 0 2
Taça dos Campeões Europeus 3 271 0 0 2
Seniores > 1969/1970 > SL Benfica 21 1625 0 0 14
 
Campeonato Nacional 16 1176 0 0 13
Taça de Portugal 2 181 0 0 1
Taça dos Campeões Europeus 3 271 0 0 0
Seniores > 1970/1971 > SL Benfica 5 305 0 0 0
 
Campeonato Nacional 3 217 0 0 0
Taça de Portugal 1 22 0 0 0
Taça das Taças 1 69 0 0 0

Primeiro jogo

SL Benfica 2 x 1 Sp. Covilhã

Domingo, Outubro 25, 1959 - 00:00

Estádio da Luz ,

SL Benfica: Costa Pereira, Serra, Cruz, Mário João, Artur Santos, Coluna, Neto, Cavém, José Torres, José Augusto, José Águas
Treinador: Bélla Guttmann
Golos: Coluna (84), José Torres (75)

Último jogo

Sporting CP 4 x 1 SL Benfica

Domingo, Junho 27, 1971 - 00:00

Nacional do Jamor ,

SL Benfica: José Henrique, Malta da Silva, Zeca, Matine (Diamantino Costa [34m]) (Diamantino Costa [34m]), Adolfo, Humberto Coelho, Simões, Jaime Graça, Eusébio, Artur Jorge (José Torres [69m]) (José Torres [69m]), Nené
Treinador: Jimmy Hagan
Golos: Eusébio (59)